Make your own free website on Tripod.com








Banco de Dados
Tocqueville













Home

Título da nova página | Maquiavel | Locke | Comentários sobre filmes e livros | O Brasil e o futuro das Relações Internacionais | O Punho Oculto | Carreira desanima jovens diplomatas | Discurso do Senhor Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, na abertura da III Reunião de Cúpula das Américas | Discurso de Posse do Professor Celso Lafer no cargo de Ministro de Estado das Relações Exteriores | NICOLAU MAQUIAVEL | Tocqueville | Título da nova página | A Crise dos Anos 60 e o PAEG | Hobbes | Comércio Exterior





Insira o conteúdo do subtítulo aqui
















Insira o conteúdo aqui
















Tocqueville

Busca encontrar a possível coexistência harmônica entre um processo de desenvolvimento igualitário e a manutenção da liberdade. Afirma que a igualdade e a liberdade fazem parte de um mesmo (não são contraditórias). Para Tocqueville, a democracia se realizava com a liberdade e sem dúvida, cada nação terá seu próprio desenvolvimento democrático. Porém todas caminharão para uma situação de condições igualitárias, e nesse processo o povo se tornará cada vez mais homogêneo.
O processo de igualização pode envolver desvios perigosos, que levem à perda da liberdade:
1º perigo: tirania da maioria a cultura igualitária de uma maioria poderia destruir as possibilidades de manifestação de minorias ou mesmo de indivíduos diferenciados. É contra o individualismo.
2º perigo: o surgimento de um Estado autoritário despótico; neste caso o Estado dos poucos tomaria para si todas as atividades, assim, intervindo também, nas liberdades fundamentais.
Para Tocqueville, a atividade política dos cidadãos pode impedir que estes perigos ocorram. A existência e a manutenção de certas instituições podem dificultar bastante o surgimento de um Estado autoritário e mesmo de uma sociedade massificada. O Estado despótico seria um Estado que comandaria um povo massificado, preocupado apenas com suas pequenas atividades particulares. A democracia não precisa apenas ser igualitária, ela pode permitir aos homens serem livres.
O grande drama tocquevilleano é buscar a solução sobre a questão da preservação da liberdade , na igualdade. Os cidadãos deveriam lutar pelos seus ideais liberais. Para Tocqueville, as revoluções em determinados momentos são necessárias, por exemplo, nas nações onde os cidadãos não são capazes de conduzir o processo democrático com liberdade. Ele condena o socialismo, pois um Estado intervencionista agigantado seria o único responsável, pela direção política da nação (desaparecendo a liberdade dos cidadãos).